É preciso falar

 

Na rede, nos blogs, nas ruas. Mas também no tête-à-tête, na hora que acontece e com quem acontece.

Uma vez, eu estava esperando um ônibus para casa, já passava das 8 da noite, quando ouvi um homem gritando muito. Ele dizia insultos horríveis, como: você é burra, você faz tudo errado, eu só passo vergonha com você. Fui me aproximando, preocupada, com medo, com revolta. Era um homem alto, grande, gritando com uma mulher que carregava várias sacolas – todas as coisas dela. Eu fui chegando perto, não sei com que coragem, meio atordoada pela situação. Ele, percebendo minha aproximação, esbravejava que ela deveria ir embora logo com ele. A mulher permanecia imóvel.

Aterrorizada, mas firme, consegui balbuciar para a mulher: “Você não precisa ir. Não vai, não”. O homem, furioso, aumentou as ameaças mas não veio para cima de mim. Dizia que estava passando vergonha na rua por causa dela. Que iria reclamar com a mãe dela, e que ela ficasse esperta também com sua menina, porque isso não iria passar em branco. Ela se mantinha atônita, não se movia. Até que, como por um milagre, ele desistiu. Ela disse que não ia. Eu fiquei. Ele foi embora.

Devo ter dado sorte. Devo ter o santo forte, ou a lua estava na posição certa naquele momento. O que eu sei é que falei, e me mantive ali, ao lado dela. E isso foi importante para Elaine, com quem fiquei por mais uma hora depois, e que soluçava, grata, porque conseguiu enxergar em mim uma aliada, e teve coragem para não ir mais para casa com ele.

Na noite anterior, ela tinha sonhado com uma mulher em sua cama. E achava que era eu. Naquela noite, ela encontrou em mim a coragem que procurava em si mesma.

Ficar ao lado dela foi uma das experiências mais malucas que já passei. Eu poderia ter sido agredida. Ela poderia ter sido agredida. Talvez ela rejeitasse minha ajuda. E ele poderia voltar a qualquer momento. Mas não aconteceu assim.

Falar, sempre que pudermos, é importante. Em público, nas redes, nas ruas. Mas no dia a dia também. Na hora em que um homem interrompe a fala de nossa colega, na hora que vemos uma desconhecida ser assediada no metrô. A violência nos cerca, mas precisamos lembrar que não estamos sozinhas. E manter-nos ao lado de nós mesmas.

Se você não viu:

O machismo disfarçado naquela piadinha do Whatsapp

Redação do Enem 2015 ‘plantou uma semente’, diz Maria da Penha

Em campanha no Twitter, mulheres relatam primeiros casos de assédio que sofreram

Anúncios

comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s